Ana Braga

Ana Kátia de Mesquita Braga (06-12-63), paulista, iniciou seus estudos de pintura aos quatorze anos em uma escola livre de arte, em Jundiaí, onde teve as primeiras noções sobre técnicas e materiais de pintura a óleo.
A partir de então começou a pintar, sempre buscando a liberdade de expressão. Principalmente, através das cores. Sem prender-se a nomes ou estilos foi desenvolvendo naturalmente suas técnicas, com pesquisas autodidatas.
Após período em que se dedicou exclusivamente à faculdade (graduação e pós-graduação em Física, Unicamp), voltou, gradativamente, à pintura.
Em 1998 passou a utilizar tinta acrílica o que lhe proporcionou mais possibilidades para o processo criativo, devido à sua praticidade e rapidez de secagem.
Paralelamente ao desenvolvimento artístico, o interesse particular de Ana pela diversidade das religiões, yôga, metafísica, assim como pela filosofia e arte orientais, passou a influenciar suas pinturas. Após um período de estudos sobre estes assuntos, a partir de 2005 a artista passou a pintar mais efetivamente, desenvolvendo técnicas de pintura e definindo, então, naturalmente, o seu estilo.
Outra interferência importante para a artista foi seu interesse nato pelas floras amazônica e tropical do Brasil, que também influenciam suas criações.
A partir de 2006, Ana passou a se dedicar exclusiva e profissionalmente à arte.
Sua pintura faz referência, principalmente, aos estilos “art nouveau” e “art déco”, e às obras de Katsushika Hokusai (Japão, 1760 – 1849), Utagawa Hiroshige (Japão, 1797- 1858), Odilon Redon (França, 1840- 1916), Louis Comfort Tiffany (Estados Unidos, 1848 – 1933), Gustav Klimt (Viena, 1862 – 1918), e Wolf Kahn (Alemanha, 1927).
Em 2008 iniciou sua série de painéis.
A partir de 2009, por inspiração das obras de Beatriz Milhazes (Brasil, 1960), acrescentou o branco e o preto em suas pinturas e incursionou ao abstrato.
No ano de 2010 seus estudos abrangeram os trabalhos de ilustração e arte digital de artistas como Takashi Murakami (Japão, 1963), Aya Kato(Japão, 1982) e outros, que também passaram a ser referência para suas pinturas.
Atualmente, Ana foca sua atenção em arte contemporânea e nas figuras do arquiteto, ambientalista e artista Friedrich Hundertwasser (Áustria, 1928 – 2000).
Desta forma, com a inspiração na natureza e o fascínio pelas cores, Ana Braga alimenta seu processo de criação e desenvolve seu trabalho, com uma produção artística muito ativa.
Suas obras já constam em coleções particulares no Brasil e Nova York, e já começam a ser difundidas na Europa.
Ana Braga reside em uma chácara em Valinhos (SP), onde tem seu ateliê e vive em contato com sua inspiração maior, a natureza